A Câmara de Vereadores de Marechal Cândido Rondon teve na noite desta segunda-feira (8) uma das sessões mais tensas da sua história. Na pauta estiveram os pedidos de abertura de processos disciplinares contra quatro vereadores. Destes, três foram aprovados e um foi rejeitado.

A partir de agora, três vereadores, Adelar Neumann, Nilson Hachmann e Dorivaldo Kist (Neco) passam a ser investigados pela Comissão de Ética e Decoro da Câmara. Esta tem prazo para apurar as denúncias, apresentar um relatório conclusivo acerca das denúncias e pode recomendar inclusive pela cassação do mandato dos mesmos.

A Comissão de Ética é formada pelos vereadores Josoé Pedralli (presidente), Vanderlei Sauer (vice-presidente) e Adriano Cottica (corregedor). Os suplentes são Arion Nasihgil e Valdir Port.

Adelar Neumann
O primeiro processo analisado foi contra o vereador Adelar Neumann. Ele foi preso em flagrante pelo Gaeco em fevereiro, acusado de apropriação de parte do salário de um servidor público da prefeitura, que teria sido indicado por ele para o cargo. Todos os vereadores, inclusive o próprio Adelar, votaram pela admissão do processo.

Nilson Hachmann
Depois houve a votação admissibilidade do processo disciplinar contra o vereador Nilson Hachmann, acusado de usar laranjas em empresas que seriam de sua propriedade, para vender à prefeitura. Na votação houve 7 votos a favor e 6 contra. Votaram pela admissibilidade os vereadores Adelar Neumann, Adriano Backes, Adriano Cottica, Arion Nasihgil, Claudio Kohler, Josoé Pedralli e Ronaldo Pohl. Votaram contra os vereadores Cleiton Freitag, Dorivaldo Kist, Nilson Hachmann, Pedro Rauber, Valdir Port e Vanderlei Sauer.

Neco Kist
O último processo analisado foi contra o vereador Dorivaldo Kist, o Neco, cuja denúncia foi feita nesta segunda-feira pelo controlador interno da própria Câmara, Luís Carlos Diesel, que tomou conhecimento de fatos que atingem o vereador. Neco é acusado de apropriar-se de parte do salário de um servidor público da prefeitura. Na votação houve 8 votos a favor e 5 contra. Votaram pela admissibilidade os vereadores Adelar Neumann, Adriano Backes, Adriano Cottica, Arion Nasihgil, Claudio Kohler, Cleiton Freitag, Josoé Pedralli e Ronaldo Pohl. Votaram contra os vereadores Dorivaldo Kist, Nilson Hachmann, Pedro Rauber, Valdir Port e Vanderlei Sauer.

Josoé Pedralli
O processo contra o vereador Josoé Pedralli, acusado de receber recursos públicos sem licitação por serviços prestados em 2009 e 2010, não foi acatado. Por entenderem que o fato relatado na denúncia ocorreu em período anterior ao seu mandato de vereador, a maioria entendeu que não cabe à Câmara julgar esse processo. Por 12 votos a um, o processo disciplinar não foi acatado. Somente o próprio autor, Nilson Hachmann, votou a favor.

4 Replies to “Três vereadores podem ser cassados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *