Ele foi o arquiteto de Brasília, mas nunca quis ser assim lembrado. Oscar Niemeyer dizia apenas que queria ser lembrado como um ser humano que passou pela Terra como todos os outros, “que nasceu, viveu, amou, brincou, morreu, pronto, acabou!”, disse em entrevista a BBC.

Um verdadeiro gênio da arquitetura moderna, Niemeyer se inspirava em curvas de rios e corpo feminino. “O mundo é cheio de curvas. Se você tem que vencer um espaço grande, a curva é a solução natural que o concreto armado pede”, justificava suas obras.

Comunista “desde que nasceu”, o arquiteto Oscar Niemeyer dizia ver o homem como “um ser completamente abandonado” e entender a vida como “um sopro, um minuto”, justificando assim sua falta de interesse pelo dinheiro.

O sopro de Niemeyer durou 104 anos e se acabou neste dia 05 de dezembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *