No sábado passado mais uma pavimentação com pedras irregulares foi inaugurada no interior de Marechal Cândido Rondon. A administração municipal entregou o trecho entre o distrito de Margarida e a divisa com o município de Pato Bragado. Trata-se de uma aspiração de 40 anos desta comunidade e que finalmente saiu do papel.

Mas, para que acontecesse, foi preciso definir as pavimentações com pedras irregulares como uma prioridade. É o que tem feito o atual governo. Só na estrada inaugurada sábado, com cerca de 5,6 km de extensão, foram investidos quase 1 milhão de reais. Mas, além deste, vários outros trechos já foram pavimentados ou estão em obras, como na região do Lira, na Linha Guará, na Linha Arara, em Novo Três Passos e em Curvado.

Se os governos anteriores ao atual tivessem feito a mesma quantia, as principais estradas municipais já estaria pavimentadas. Além de conforto e segurança aos moradores, as pedras irregulares garantem economia para o município. Para manter uma estrada rural normal em boas condições é necessário um parque de máquinas impecável e um investimento constante, bastante oneroso aos cofres públicos. Uma estrada com pedras irregulares se faz a manutenção com um homem e uma picareta e, eventualmente, a passagem de um rolo compactador.

3 Replies to “Pena que não fizeram antes

  1. Bom dia!!! Pois é Gladis, mas se ainda está em obra, porque o prefeito já fez a inauguração, e aliás porque a imprensa divulgou durante tanto tempo que a obra estava concluida, tem até um jornalzinho que circulou no fim de ano falando sobre as obras “concluidas”, Diz o ditado: papel aceita tudo, e certos bolsos tbém!!!

  2. Pois é….Sei que é inútil ficar escrevendo aqui e em qualquer outro lugar. Mas quando passo por aquele trecho eu me pergunto, por que os moradores de Novo Tres Passos e Esquina Bandeirantes aceitaram aqueles poucos metros de pavimentação. Quando anunciaram a mesma, eu pensei que iriam fazê-la como fizeram entre Margarida e Pato Bragado. De Novo Tres Passos até divisa com Nova Santa Santa – Alto Santa Fé, se não me engano, ou no mínino até o Sítio das Orquídeas (integrado ao Turismo Rural)…Mas não fazer TODO AQUELE AUÊ por causa de alguns metros. É estranho que ninguém nunca questionou quanto foi gasto e por que a obra não foi terminada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *