Se o “apagão médico” ocorrido nesta sexta-feira (09) pegou de surpresa os gestores da saúde pública em Marechal Cândido Rondon, como disseram na entrevista coletiva, imagine com que surpresa foram pegos os inúmeros pacientes que foram até a Unidade de Saúde 24 Horas e simplesmente receberam a notícia: “não tem médico, pode voltar pra casa”.

Imagine uma cidade que vive na completa penumbra da saúde pública. Primeiro, sem hospital que faz atendimento pelo SUS e, agora, também sem médicos no pronto-socorro. E pior, a partir de segunda-feira também começa o “apagão” nos postinhos de saúde, que estarão fechados para férias até o dia 23 de janeiro.

Com os postinhos fechados, é inevitável que aumente significativamente a demanda na Unidade de Saúde 24 Horas, no centro. Já dá pra ter uma ideia do caos que será isso neste final de ano, especialmente se faltarem médicos.

Mas, com certeza, na semana que vem haverá notícias distribuídas pela assessoria da prefeitura, mostrando como é eficiente o atendimento na saúde pública de Marechal Rondon. Ou haverá alguma pesquisa ilustrando a grande satisfação popular com o atendimento na saúde. Talvez apareçam nos jornais fotos com políticos usando capacete marketeiro, mostrando o andamento das obras do Hospital Municipal, que vai resolver todos os problemas da saúde no município.

Mas, enquanto isso, muito longe das manchetes, das pesquisas e das imagens de marketing está a população mais humilde do nosso município, que encara o triste “racionamento” do serviço de Saúde que vive Marechal Cândido Rondon.

4 Replies to “Apagão médico

  1. Jadir, pensamos o seguinte, se o hospital regional será o marketing para as próximas eleições nem podemos discutir, pois estava na hora de construirmos algo que suporta a demanda de nossa região, mas o que me deixa triste é fazer pesquisas onde vereadores levaram os pesquisadores nas casas de seus eleitores para maior aprovação, isso não é pesquisa, e pode ser um tiro no pé, tenho fonte segura que isso aconteceu, eu fico pensando será que somos palhaços disfarçados de cidadãos, sem desmerecer os palhaços de profissão.

  2. Apagão total na Saúde, oque resta acontecer médicos não querem trabalhar por falta de pagamento, já é um absurdo. Agora imaginem o chefe da regional que esta lá para cobrar de seus subordinados um atendimento não o faz e tem gente como o nosso Dp. Élio que acha normal. Dp. não é normal é falta de humanidade mas oque esperar de uma pessoa que já foi prefeito da cidade e não tem a sensibilidade juntamente com sua familia em seu Hospital atender pelo SUS.Dp. vc tinha que pedir para entregar o cargo cm também pedir uma intervenção administrativa nos hospitais locais(Marechal C. Rondon) por falta de atendimento ao seu querido povo que a tantos anos vem te mantendo cm Dp.Na ultima eleição o nobre Dp.fez quase 7000 votos se continuar se cercando dessa gente não vai dar, eu que sempre votei em vc tenho que repensar. Abraço Feliz Natal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *