A Constituição de Weimar

weimarNo dia 31 de julho de 1919, o Reichstag alemão aprovou a Constituição de Weimar, que seria promulgada em 11 de agosto, um documento que mais tarde viria a possibilitar a ascensão de Hitler ao poder.

Depois da derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial, a monarquia não existia mais e a nova República, denominada de República do Weimar, precisava de uma Constituição.

Esta contava com vários aspectos positivos, entre elas a abolição das classes sociais, a liberdade de opinião e a equiparação dos direitos entre homens e mulheres. Mas, como nem tudo são flores, o documento tinha uma falha grave ao delegar especialmente a uma pessoa um poder excessivo: ao presidente do Reich.

O presidente podia até mesmo dissolver o Parlamento, convocar as Forças Armadas, baixar decretos emergenciais e influir nos direitos fundamentais dos cidadãos.

O abuso do presidente Paul von Hindenburg, eleito em 1925, facilitou, entre outras coisas, a tomada de poder pelos nazistas em 1933.

Já faz um ano

7 a 1O dia 8 de julho ficará marcado para sempre como o pior dia para o futebol brasileiro. Foi o dia em que fomos humilhados em pleno território nacional e levamos a maior goleada que o Brasil já sofreu na história das Copas: 7 a 1 para a Alemanha.

Se o Maracanazo de 1950 foi uma tragédia para o nosso futebol, com certeza o 7 a 1 de 2014 foi um vexame. E, um ano depois, após o futebol mostrado na Copa América, pouca coisa mudou. E as Eliminatórias para a próxima Copa já vêm por aí.

25 anos da queda

Há exatos 25 anos acontecia um dos episódios mais importantes da história contemporânea: a queda do muro de Berlim.

No dia 9 de novembro de 1989 o muro que dividia a capital alemã Berlim veio abaixo. Mais do que uma barreira física que separava moradores da mesma cidade, começava a ruir a polarização que durante décadas confrontou dois sistemas políticos, o comunismo e o capitalismo.

O Muro de Berlim foi construído em 1961 pelo regime socialista da extinta República Democrática Alemã, também conhecida como Alemanha Oriental. O objetivo era separar duas áreas da capital alemã, então dividida entre uma parte capitalista e outra socialista. A construção se estendia por 37 quilômetros dentro da zona urbana da cidade.

A queda do muro colocou fim a um dos principais símbolos da Guerra Fria e iniciou a reunificação da Alemanha.

Apesar do tempo, ainda hoje há alguns elementos de divisão na sociedade alemã. A Alemanha ainda é um país bastante desigual, econômica e socialmente. Mas, a desigualdade hoje não é geográfica, mas entre as classes. Partes da antiga Alemanha Oriental agora são ricas, enquanto partes da antiga Alemanha Ocidental se tornaram mais pobres.

Nas fotos, quando tive a oportunidade de visitar Berlin, em 2008, em pontos onde passava o antigo muro.

Coisas do Facebook

Uma adolescente da Alemanha convidou seus amigos para um bolinho em casa, visando comemorar os seus 16 anos. Ela fez o convite pelo Facebook, mas, esqueceu de alterar as configurações para apenas os amigos visualizarem e o convite caiu em toda a rede social. Resultado: 15 mil pessoas confirmaram presença. Pior: 1.600 estranhos compareceram na frente da casa dela. A família teve que mobilizar a polícia e seguranças particulares para conter os ânimos dos mais exaltados, que queriam a toda custa participar da festa.

A crescente importância da língua alemã

O alemão é o idioma mais falado na Europa: cerca de 100 milhões de europeus o falam como língua materna ou língua de família. Estes vivem na Alemanha, na Suíça, na Áustria e no Luxemburgo, e, sendo minorias lingüísticas, na Bélgica, na Dinamarca, na Romênia, na Hungria e na Rússia. Embora o alemão seja um língua predominantemente falada na Europa, existem também falantes nativos, os imigrantes de origem alemã na América Latina, nos EUA e em algumas regiões da África.
Continue lendo…