O maníaco

A cidade de Marechal Rondon ficou em polvorosa a partir da divulgação de uma notícia de que o “maníaco da cruz”, que fugiu do Mato Grosso do Sul, estaria na cidade. Nas redes sociais a informação se espalhou bem como notícia ruim.

Mas, a Polícia Militar tratou de esclarecer que tudo não passou de um boato. Uma pessoa foi vista e confundida com o criminoso. A PM fez a abordagem e constatou que se tratava de um engano. Outras pessoas também foram confundidas com o elemento procurado.

Fato semelhante aconteceu ontem numa cidade de Mato Grosso. Mas, assim como aqui, ninguém conseguiu de fato provar que o maníaco estava na cidade.

O prefeito responde

Neste sábado (16) estreia nas emissoras de rádio de Marechal Cândido Rondon um programa em que o prefeito da cidade, Moacir Froehlich, vai responder às perguntas da comunidade. Todo sábado, Moacir Froehlich estará, alternadamente, em uma das emissoras, às 10 horas, para responder a perguntas formuladas pelo povo.

As perguntas devem ser encaminhadas às emissoras no decorrer da semana. O prefeito garante que não haverá qualquer censura, desde que as perguntas  e críticas sejam voltadas à administração, por mais ásperas que sejam.

O programa poderá ser acompanhado todos os sábados, a partir das 10 horas, de forma alternada, ou seja, uma semana na Difusora, outra na Educadora. As apresentações estarão a cargo dos comunicadores Regis Guerreiro (Difusora) e Delcio Luiz Parada (Educadora).

Codecar

Praticamente todo o primeiro escalão do novo governo Moacir e Cottica está definido. O prefeito somente ainda não definiu pela indicação à presidência da Codecar.

Neste caso específico não se trata de nenhuma questão de ordem política. É pura e simplesmente uma indefinição técnica. A dúvida é o que fazer com a Codecar.

Responsável pelo recolhimento do lixo, pela pedreira municipal e pela estação rodoviária, a Codecar há muitos anos é responsável por um grande ônus para as administrações. Ela custa mais do que rende.

Por isso da indefinição. O prefeito ainda não tem claro qual é a melhor alternativa para a empresa, onde a prefeitura é a acionista majoritária.

Meu amigo, amigo do Papa

É curioso como o mundo é pequeno. Nos últimos dias estive na torcida para que Dom Odilo Scherer, que cresceu aqui perto, em Dois Irmãos, fosse o sucessor de Bento XVI.

Mas, o conclave escolheu um cardeal até então desconhecido da mídia, porém, latino-americano. Para decepção dos brasileiros futebolísticos, um argentino.

Curiosamente, no dia seguinte ao anúncio, descubro que um amigo meu, pastor Clóvis Elói Kurtz, que se criou em Marechal Rondon, estudou pastor em São Leopoldo e hoje mora e trabalha na Argentina, conviveu com o papa. Trocou muitas ideias com ele e, se bobear, até jogou um carteado.

Clóvis revela que Jorge Mário Bergoglio é uma pessoa muito humilde, discreta e que, devido a sua característica, irá desenvolver uma relação ecumênica mais aberta entre todos os cristãos, independente de religião.

Esse é o meu amigo, amigo do Papa.

Atitude estranha

Chamou a atenção hoje a atitude do Governador Beto Richa ao não comparecer à Assembleia Geral da Amop, em Cascavel, onde estavam reunidos quase todos os 52 prefeitos da região Oeste do Paraná. O Governador estava em Cascavel para a inauguração de uma gigantesca câmara frigorífica da Cotriguaçu junto ao terminal da Ferroeste.

Mesmo estando na cidade, ele não se dignou a passar no encontro da principal entidade política da região. Será que os prefeitos do interior não lhe são importantes politicamente?

Como se chamará o novo Papa?

Com o conclave em andamento, fica a expectativa não só para saber quem será o cardeal eleito para ser o 266º Papa na sucessão apostólica. É tradição que o Papa eleito deve trocar seu nome de batismo por outro que tenha significado na tradição cristã.

Certamente, o nome escolhido vai dar também uma ideia do significado e do direcionamento do seu pontificado.

São centenas de nomes papáveis.

O eleito pode escolher homenagear algum Papa antecessor, como Bento XVII, João Paulo III, Pio XIII ou João XXIV. Também pode escolher homenagear os evangelistas Mateus e Lucas, que nunca deram nome a um Papa, ou adotar Marcos II, já que até hoje houve um único Papa xará do evangelista Marcos, eleito em 336.

Até hoje também só houve um Pedro, o primeiro Papa. Nunca um Papa escolheu ser chamado de Pedro II. Há inclusive uma proferia de Nostradamus diz que se isto acontecer será sinal de que se aproxima o fim do mundo.