Há 13 anos, Penta!

Parece que foi ontem, mas lá se vão 13 anos desde a última grande conquista do futebol brasileiro. Em 30 de junho de 2002, o Brasil conquistava o pentacampeonato, após uma vitória maiúscula de 2 a 0 sobre a forte seleção alemã.

Saudade desta geração, que nos levou a três finais seguidas de Copas: 1994, 1998 e 2002.

Seleção de várzea

chrg0718O fiasco da Copa do Mundo já havia determinado isso. A Copa América só veio confirmar aquilo que todos já temíamos: estamos diante da pior Seleção Brasileira de todos os tempos, uma Seleção de várzea.

Eu, particularmente, acreditava que era só por que todos só jogavam em função do Neymar. Ontem vi que estava muito enganado. Esse grupo é realmente muito apático.

Perder todo mundo perde. Até a Seleção de 82 perdeu. Mas, o que frustra é ver uma Seleção Canarinho perder com tamanha apatia.

E o resultado dessa apatia já estamos colhendo. Pela primeira vez na história não vamos disputar uma Copa das Confederações. Estamos fora da competição na Rússia em 2017.

E olha que as Eliminatórias vêm aí!

Como fica a Seleção sem Neymar? Melhor!

A Neymarmania chega a cansar os ouvidos de quem gosta de programas esportivos. Mesmo com ele fora dos campos, a grande mídia insiste em fazer dele principal motivo das manchetes.

Mas, como fica a Seleção Brasileira sem Neymar? Pra mim, melhor. Volta a ser um time de 11 jogadores e deixa de ser um conjunto de peças jogando a bola só pra 1 atleta, esperando que este opere alguma jogada individual.

Não tenho dúvidas de que o Brasil só tomou aqueles 7 a 1 para a Alemanha no ano passado por que não sabia jogar como um time de 11.

Tomara que agora o técnico Dunga consiga esquecer o 10 + Neymar e montar realmente uma Seleção de 11 jogadores.

Que capitão é esse?

Mais feio do que a derrota da Seleção Brasileira para a Colômbia no jogo de ontem pela Copa América foi o papelão feito pelo nosso capitão Neymar. Eu arriscaria dizer que foi até mesmo mais feio do que os 7 a 1 para a Alemanha na Copa do Mundo.

Pelo menos na Copa os jogadores, mesmo humilhados em campo, tiveram hombridade e não foram covardes como foi o Neymar “nervosinho” de ontem, agindo como adolescente ao chutar a bola contra um adversário ao final da partida.

Não há dúvidas sobre a qualidade do futebol de Neymar. É um verdadeiro artista. Mas, está muito longe de ser um capitão, um líder.

Fora mais cedo

A equipe da Copagril se despediu mais cedo das competições nacional e estadual na temporada de 2014. Primeiro foi despachada de forma humilhante na Liga Nacional, após seis derrotas na segunda fase. Depois, ontem a noite, foi eliminada pelo seu rival mais tradicional, o Umuarama, nas quartas-de-final da Chave Ouro do Paranaense.

Apesar de frustrar o torcedor, as eliminações precoces nas duas competições talvez sirva de lição para que o projeto do futsal seja reformulado, ou no mínimo, repensado, para a próxima temporada.

Pesca de Corvina

Chama a atenção de pescadores de toda a região a premiação prevista para ser distribuída durante a Prova de Pesca da Corvina, que acontece neste final de semana, em Porto Mendes. Além de ser um dos poucos torneios de pesca realizado este ano no Lago de Itaipu, ele está atraindo muita gente em função dos bons prêmios, entre eles o casco de uma lancha Tropical.

Sem vuvuzelas

A Fifa definiu esta semana ao governo brasileiro, que não vai permitir o uso de “vuvuzelas” e outros instrumentos sonoros nos jogos da Copa do Mundo em 2014.

Inicialmente o Ministério dos Esportes estava discutindo qual instrumento musical típico do Brasil seria usado na Copa , a exemplo da “vuvuzela”, amplamente usada na África do Sul em 2010. A disputa estava entre o “pedhuá”, apito de origem indígena, e a “caxirola”, criada pelo músico Carlinhos Brown.

Mas, agora a Fifa já jogou um balde de água fria nas pretensões brasileiras.