Festa do Músico

Esta semana tive a oportunidade de participar da Festa do Músico, na cidade de Tucunduva, no Rio Grande do Sul. O evento é o maior encontro de músicos do Brasil e, neste ano, foi realizado na sua 24a. edição.

Na terra da banda Os Auais, o evento reuniu dezenas de bandas do Brasil. Além disso, também contou com atrações paralelas, como do humorista rondonense Willmutt e do vencedor do programa Ídolos, Henrique Lemos, grandes atrações da primeira e da segunda noites.

Chamou a atenção que uma cidade tão pequena, próximo a divisa com a Argentina, pudesse atrair tantas personalidades do meio musical. Na quarta-feira (23), pela manhã, foram dezenas de ônibus de bandas desfilando pela ruas centrais da cidade. Equipes de TV registravam tudo, transformando aquilo numa grande festa da cultura sulista.

Novo vídeo do tsunami no Japão

Todos já devem ter vistos inúmeras imagens do tsunami que atingiu o Japão há alguns meses. Porém, esta semana recebi um vídeo com cenas ainda mais dramáticas. O vídeo foi gravado do alto de um monte e mostra o avanço da onda gigante por uma cidade japonesa, arrastando casas, prédios, carros e tudo o que havia pela frente.

Quase tão dramático quanto o vídeo é o áudio. Mesmo sem compreender a língua japonesa, é possível entender a expressão de pânico, terror e desolação das pessoas, que vêem, à distância, a sua cidade ser simplesmente lavada pelo tsunami. Ao final, as imagens mostram algumas pessoas que, em desespero, correm para atingir o monte e salvar suas vidas.

Novas câmeras

Para que não fique o dito pelo não dito, recebi a informação que a prefeitura de Marechal Cândido Rondon vai receber, na próxima semana, um novo sistema de monitoramento por câmeras de segurança. Pelas informações, serão cinco câmeras, sendo quatro na sede e uma na praia de Porto Mendes.

A implantação das câmeras faz parte de uma fase experimental que visa embasar a elaboração de um projeto para reivindicar recursos junto ao Ministério da Justiça, para ampliar o monitoramento com câmeras através de um projeto definitivo, visando aumentar a segurança em Marechal Rondon.

As informações são do secretário Ito Rannov, em entrevista à Rádio Educadora.

Câmeras e polêmicas

Câmeras de monitoramento têm sido uma alternativa interessante para garantir a segurança em centros urbanos. Mas, em alguns destes centros, elas também são motivo de polêmicas e dúvidas. Dois casos bem próximos estão em Guarapuava e Marechal Rondon.

Em Guarapuava o assunto foi motivo de reportagem exibida no Jornal Nacional desta segunda-feira (14) sobre quatro câmeras de segurança instaladas para vigiar uma estátua (veja matéria em vídeo abaixo). São as únicas câmeras de segurança da prefeitura e a sua instalação para monitorar a estátua tem causado polêmica entre os moradores, que querem equipamentos para melhorar as condições de segurança na cidade e não para vigiar uma estátua.

Por outro lado, as câmeras de segurança que já renderam muita mídia em Marechal Cândido Rondon, simplesmente foram retiradas. Quem passar pela rotatória da bandeira, no cruzamento das avenidas Maripá e Rio Grande do Sul, e olhar para cima, vai notar que as câmeras não estão mais no local. Resta saber por quê foram retiradas?

Endividamento maior

O governo federal assinou ontem (10) um termo para ampliação do crédito fiscal com seis Estados, entre eles o Paraná. Com isso, o Estado poderá aumentar o seu nível de endividamento em mais R$ 1,192 bilhão. Todos os estados juntos, poderão aumentar seu nível de endividamento em mais R$ 22,3 bilhões. Há 15 dias, o Palácio do Planalto havia feito a mesma coisa com outros 10 estados, num total de R$ 15,7 bilhões.

Esse Brasil de encantos mil

Poucas pessoas talvez saibam, mas eu viajo pelos mais variados cantos do Brasil na companhia do humorista Willmutt, na qualidade de seu empresário, assessor de imprensa, assistente de palco, amigo, etc. Nestas andanças, tenho tido a oportunidade de conhecer dezenas de lugares diferentes, culturas, pessoas, paisagens, comidas, hábitos, músicas, tradições… Continue lendo…

Brasil x Fifa

A disputa política entre o governo brasileiro e a Fifa nas questões que envolvem a Copa de 2014 parece que vai ter mais um capítulo no início da próxima semana. É quando vem ao país o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valck, que desembarca no Brasil segunda-feira para manter reuniões com o governo que prometem ser decisivas.

O cartola já avisou que o Brasil não vai vencer a Fifa nas exigências para a realização da Copa do Mundo. Ele garante que bebidas alcoólicas serão vendidas nos estádios. Quanto aos ingressos, ele disse que a Fifa planeja vendê-los entre US$ 20 e US$ 30, semelhantes aos que são cobrados hoje em alguns jogos do Brasileirão. Mas, esses valores são só para a primeira fase.

Valcke disse que a Fifa não vai abrir mão das demais exigências do Brasil, na defesa de seus parceiros comerciais. Por isso, ele vem ao Brasil para tentar costurar o acordo que estabelece a Lei Geral da Copa.

O assunto do momento

É impressionante como o ex-presidente Lula consegue chamar a atenção da mídia para si. O câncer na laringe de Lula fez com que o assunto se tornasse o principal tema dos debates nas redes sociais, como o Facebook e o Twitter. O tema gerou discussões e grande polêmica e questionamentos sobre a qualidade do serviço público de saúde, quando muitos críticos sugeriam que Lula devesse usar o atendimento do SUS para tratar a sua doença.

Paralelamente a isso tivemos a briga dos irmãos Zezé e Luciano. Coisa de piá pançudo. Dizem por aí que é por causa de uma mulher. Vai saber.  Mas, enfim, é outro tema que roubou as cenas das redes sociais esta semana.

Sinceramente, não sei o que é mais esdrúxulo, se é a discussão sobre o câncer de Lula ou a briga da dupla. Mas, uma coisa é certa, enquanto o povo brasileiro se distrai com isso, muita coisa mais relevante passa despercebida por baixo das nossas barbas.

Infelizmente é assim que funciona esse circo. Assuntos de vil importância são elevados às mais altas manchetes. Enquanto que temas que realmente importam, que influenciam as nossas vidas, que interferem nos nossos planos… estes deixamos passar como se fossem normais, como se fossem triviais. Poucos são os que se atrevem a falar e se rebelar diante da corrupção cada vez mais ativa nesse país. E, aqueles que o fazem, por muitas vezes são recriminados.

A corrupção é o nosso câncer do dia-a-dia. E a disputa boba entre irmãos, entre o povo, é o que nos deixa cada vez mais vulneráveis nessa luta cotidiana.