Novidade: chafariz sem água

Está faltando água na cidade. Ou melhor, não. Está faltando água no chafariz. Sim. Já faz cerca de três meses que o chafariz na rotatória da bandeira está sem água.  Aliás, da forma como está, nem de chafariz pode ser chamado. Sem água, aquilo não passa de uma banheira de concreto sem sentido.

A situação de descaso já chamou a atenção de empresários das redondezas, que estranham a demora para uma solução. Bom, talvez nem seja descaso. Pode ser que seja apenas pra economizar água.

Ah… a foto acima foi tirada na terça pela manhã. Hoje é provável que até tenha água lá… empoçada.

Vai dar pano pra manga

O vereador Sérgio Maciel protocolou um requerimento na sessão da Câmara Municipal solicitando que seja criada uma comissão especial com o objetivo de analisar a possibilidade de abreviar o nome do município rondonense, passando de Marechal Cândido Rondon apenas para Marechal Rondon. Segundo ele, veículos de comunicação e as pessoas da comunidade já tem como praxe usar somente o nome Marechal Rondon e, por isso, o pedido se justifica.

A questão com certeza vai dar muito pano pra manga. Tão logo a notícia foi divulgada pela imprensa já começaram as manifestações contrárias. São diversos os argumentos, desde posicionamentos simplesmente contrários por questões partidárias até questões que sugerem prejuízos históricos e financeiros.

Mas, esta não seria a primeira vez que o nome mudaria. Na época em que era distrito de Toledo o nome era General Rondon, sendo que passou à Marechal Cândido Rondon a partir da emancipação.

Provocações mútuas

É de longa data que os vereadores Ítalo Fumagali e Adriano Cottica trocam provocações nas sessões da Câmara Municipal de Marechal Cândido Rondon. Nesta segunda-feira (27) a situação não foi diferente. Em vários debates de matérias diversas, os dois acabavam desviando o foco para “cutucar” um ao outro.

É claro que as provocações e cutucadas são um atrativo à parte para quem acompanha as sessões. Contudo, com absoluta certeza, não é para isso que a população elege os vereadores. O debate em torno de projetos e outras matérias é salutar, mas, quando se foge desse propósito e as discussões ficam apenas no campo pessoal e político, quem perde é o município.

Sinaleiros climáticos

Os novos semáforos de Marechal Cândido Rondon parecem ter sido feitos só para funcionar com tempo bom. Toda vez que chove, dão problema. Os dois da Avenida Rio Grande do Sul estão sem funcionar desde a última chuva, ficando apenas com a luz amarela piscando. O problema já havia sido registrado há alguns dias, também após uma chuva.

Desconforto no PPS

Entrevista de duas páginas publicada pelo jornal O Presente na edição desta quinta-feira (23), o ex-prefeito Dieter Seyboth confirmou que o clima dentro do PPS local não está muito a seu favor, o que ficou evidente no evento promovido pelo partido na semana passada, quando Dieter sequer foi convidado para compor a frente de honra. O ex-prefeito diz que quando passou o comando do partido para o seu sucessor Wilson Moraes havia um acordo, que vem mudando de rumo, de modo que ele, Dieter, já não sabe se vai permanecer no PPS.

Na entrevista ele também não nega a possibilidade de voltar a concorrer a prefeito nas eleições de 2012. Porém, uma coisa fica clara. Se for candidato a prefeito, não será pelo PPS, partido que já tem seu pré-candidato na pessoa do seu atual presidente Wilson Moraes.

Mudanças questionadas

As mudanças mais recentes no trânsito da cidade de Marechal Cândido Rondon geraram um certo desconforto entre algumas pessoas que integram o Conselho de Trânsito, que não teria sido consultado, especialmente no que tange às ruas que voltaram a ser vias de mão dupla, entre a Avenida Maripá e a rua Independência.

A decisão de mudança teria sido apenas de gabinete, sem a participação do Conselho de Trânsito, que ficou sabendo das mudanças através da imprensa. A queixa vai além, pois segundo parece, há muitos anos o Conselho de Trânsito vem sendo usado apenas para homologar decisões que já chegam prontas.

Fumagali não está a venda

Ao contrário do que vem sendo ventilado em Marechal Cândido Rondon, o Hospital Fumagali não está a venda. Pelo menos é o que garante o seu diretor, o médico Ítalo Fernando Fumagali. Ele diz que não tem planos de entregar a casa a aventureiros e que o projeto é transformá-lo em Hospital Regional em 2013. Continue lendo…

Royalties poderão ser usados na folha

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) aprovou uma instrução normativa que adota consenso nacional sobre metodologia de apuração da receita corrente líquida e do limite de gastos com pessoal, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).  A instrução, aplicável a municípios e ao Estado, detalha a classificação da despesa de pessoal e encargos. Com esta orientação, municípios e Estado têm ampliação na base de cálculo da folha de pagamento. Continue lendo…